Ressecamento vaginal pós-parto, como lidar com isso?

ressecamento vaginal pós-parto

O ressecamento vaginal pós-parto é algo natural, que acontece com as puérperas, causando mudanças na lubrificação íntima. Isso leva a desconfortos e queimações diárias, que afetam a sua rotina e as relações sexuais.

Embora seja uma questão desagradável, a boa notícia é que não é uma situação duradoura. Em até seis meses a mulher volta a ter a sua lubrificação vaginal como era antes.

Mas se você está enfrentando esse problema e não quer esperar para resolvê-lo, neste artigo mostramos como você pode lidar com o ressecamento vaginal e quais soluções pode adotar em sua rotina. Confira!

O que é ressecamento vaginal?

O ressecamento vaginal é uma sensação de secura que a mulher sente no canal vaginal. Ele pode estar relacionado com alguns fatores, como uso de medicamentos, alergias, ansiedade, mas em geral acontece em duas fases principais da vida da mulher: no pós-parto e na menopausa.

As alterações hormonais que as mulheres sofrem nesses momentos fazem com que o ressecamento aconteça. No caso do pós-parto, especificamente, o ressecamento acontece por causa da queda do estrogênio. Esse hormônio é responsável pela lubrificação vaginal e, durante a gestação, o corpo produz mais para ajudar no parto.

Depois que o bebê nasce, o hormônio para de ser produzido em quantidade suficiente. Em mulheres que amamentam o nível de estrogênio é ainda menor.

Esse é um problema que atinge todas as mulheres e não tem como fugir. No entanto, cada mulher pode ter uma percepção de ressecamento diferente. Fatores paralelos, como a função das glândulas lubrificantes e o psicológico da mulher influenciam não só no ressecamento, mas na libido da mulher. Isso fará com que ela tenha menos vontade de ter relações sexuais.

O histórico da paciente com o parto também pode causar traumas que a deixam insegura de voltar a ter relações.

Existe tratamento para o ressecamento vaginal?

O ressecamento vaginal não é uma condição definitiva. A mulher retoma sua lubrificação de forma gradual, mas isso também depende de alguns fatores. Por exemplo, mulheres que não amamentam voltam a ter seu ciclo hormonal quando começam a ovular novamente. Em geral, isso pode levar de dois a três meses após o parto.

A produção de estrogênio volta aos níveis normais e o ressecamento é revertido. Em mulheres que continuam amamentando, o ressecamento pode levar até seis meses para terminar.

Para as mulheres que não querem lidar com esse desconforto, existem alguns tratamentos que podem ser utilizados.

É importante alertar que, logo após o parto, a mulher não deve aplicar cremes ou medicamentos vaginais. Há risco de infecção, nesses casos, pois o colo do útero ainda está aberto e facilita a entrada de bactérias. Após 40 dias de repouso, as mulheres já podem adotar o uso de alguns recursos:

Lubrificante vaginal

O lubrificante vaginal pode ser usado durante as relações sexuais, caso a mulher sinta necessidade. Existem opções de ácido hialurônico, à base de água ou a longo prazo. Nesse último caso, a mulher usa um creme ou gel vaginal a cada 48 horas ou 3 dias. Essas soluções são mais pontuais e não vão estimular a lubrificação da mulher, apenas evitar a sensação de ressecamento.

Hidratante intravaginal

Os hidratantes intravaginais podem ser usados com ou sem hormônio. No caso das opções com hormônio, o hidratante conta com estrogênio. Antes de usar esse tipo de produto, o ideal é conversar com o ginecologista e ver quais são as suas recomendações para cada mulher. No entanto, esse tipo de hidratante não causa problemas, pois não representa riscos – já que o hormônio não é absorvido pela corrente sanguínea, assim não vai interferir na amamentação.

Laser íntimo

O laser íntimo é uma técnica inovadora e não invasiva, indicada para mulheres que perderam a elasticidade, a espessura e a umidade na vagina após o parto. Nesse tratamento, por meio de um laser, que causa efeitos térmicos no tecido vaginal, a região é estimulada e remodelada.

A técnica ajuda a aumentar a neovascularização do tecido conjuntivo, de fibroblastos, de novas fibras de colágeno e elastina. Dessa forma, estimula o desenvolvimento de novas células (fibroblastos), fibras elásticas e colágeno e, a partir desse reparo, a estrutura pélvica consegue se recuperar.

É um tratamento seguro, que não causa dor ou desconforto, queimadura, corte e sangramento, mas é importante sempre conversar com um médico antes de realizar qualquer procedimento. Principalmente depois de ter passado por um parto.

O laser íntimo é feito em consultório médico. Um espéculo é inserido na cavidade vaginal da mulher e a ponteira emite os pulsos do laser de estímulo. Apenas três sessões, de 10 a 20 minutos, são suficientes.

Quer saber um pouco mais sobre esse tratamento? Entre em contato.

Leia também:

Laser íntimo, tratamento eficiente para o pós-parto

Dra. Helga Pavan - Obstetra e Ginecologista Joinville

Dra. Helga Oliveira Pavan | Ginecologista e Obstetra - CRM 16791 | RQE 125749

Compartilhar:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também