Laser íntimo, tratamento eficiente para o pós-parto

Laser íntimo, tratamento eficiente para o pós-parto

O pós-parto é um período delicado para a mulher. Não só por causa do puerpério e por ter que lidar com os cuidados do bebê que acabou de nascer, mas também na relação com o parceiro. Nesse momento, a atenção da mulher se volta totalmente para o filho, além disso, o corpo ainda está se adaptando e voltando aos poucos. Por isso, a libido e a lubrificação acabam diminuindo muito.

O laser íntimo é uma solução para as mulheres que querem voltar a ter relações com o companheiro, mas ainda não sentem que a lubrificação e o tônus vaginal ainda não voltaram a ser como eram antes do parto. Neste artigo, você vai conhecer o laser íntimo e saber como ele funciona. Confira!

O que é o laser íntimo?

O laser íntimo é uma técnica inovadora e não invasiva, que estimula o rejuvenescimento da mucosa vaginal, fazendo com que a mulher recupere a elasticidade, a espessura e a umidade da vagina após o parto.

O tratamento utiliza um laser que causa efeitos térmicos no tecido vaginal. Com isso, estimula e remodela a região, aumentando a neovascularização do tecido conjuntivo, de fibroblastos, de novas fibras de colágeno e elastina.

O ajuda no desenvolvimento de novas células (fibroblastos), fibras elásticas e colágeno. Ao receber esse reparo, a estrutura pélvica consegue se recuperar precocemente e proporcionar mais conforto para a mulher.

O tratamento é feito no consultório médico, por meio de um espéculo inserido na cavidade vaginal. Com uma ponteira, são emitidos os pulsos do laser. A paciente passa por três sessões, cada uma com duração de 10 a 20 minutos e no intervalo de um mês entre elas.  A paciente não sente nada, não há queimaduras, cortes e sangramento.

 

Para quem o laser íntimo é indicado?

O laser íntimo é indicado para mulheres que estão na menopausa, que acabaram de ter bebê e que apresentam alguns desses sintomas:

  • Ressecamento vaginal e perda de elasticidade;
  • Dispareunia (Dor ao coito);
  • Prurido vulvovaginal e corrimentos de repetição (em pacientes com baixo nível de estrogênio);
  • Incontinência urinária leve;
  • Disúria e infecção urinária (Dor durante a micção), relacionadas a baixa do nível de estrogênio;
  • Perda da forma estrutural original da vagina através da tensão excessiva provocada durante o parto;
  • Atrofia da Mucosa Vaginal causada não só pela menopausa como também pelo uso de medicamentos anti-estrogênicos e ou quimioterápicos, utilizados no tratamento de câncer de mama.

No entanto, o tratamento é contra-indicado em alguns casos. O laser íntimo não deve ser feito por mulheres durante a gestação ou que apresentam tumores de trato genital baixo, como colo do útero, vagina e vulva.

 

Por que usar o laser íntimo?

No caso das gestantes, após o parto, a região íntima acaba ficando mais sensível e isso causa desconforto durante as relações sexuais. Além disso, muitas mulheres se queixam de perda urinária depois do parto.

Essas alterações são somadas à amamentação, período em que a produção de hormônios reduz drasticamente e dificultam as relações sexuais, por causa da falta de lubrificação. A produção de estrogênio, responsável por manter a resistência das estruturas pélvicas, é diminuída quando a mulher está amamentando.

Com isso, a mulher pode sofrer lesões na região pélvica durante as relações, por causa do ressecamento vaginal. O laser íntimo ajuda a devolver a lubrificação para a mulher, evitando esses problemas.

As principais vantagens do laser íntimo é a recuperação da elasticidade e da espessura vaginal, que aumentam a satisfação da mulher durante suas relações sexuais, além de diminuir as queixas urinárias e melhorar a sua qualidade de vida de forma geral. A mulher se sente bem em sua intimidade e isso se reflete em outros aspectos da sua vida.

Quer saber mais sobre o laser íntimo? Entre em contato.

Ginecologista Joinville

Dra. Vanessa Engelmann | Ginecologista - CRM 14930 | RQE 10329

Compartilhar:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também